27 de janeiro de 2008

Mãe Terra

É de ti d'onde vim e para ti vou voltar
E cá estou, com tudo o que me deste
Respirando a cada momento
Grata ao que me fizeste

Como filha não sei como retribuir
Sacrifício pode manchar teu nome
A vida aqui deve começar a fluir
Para no mínimo, saciar tua fome

Ar, água, terra, fogo
Minha querida mãe, sei que choras escondida
Mas nossa raça parece estar perdida

Embora abalada, a senhora persiste forte.
Todo o vosso ciclo é muito maior que o nosso
Deusa que devolve a vida, mas também laureia a morte.

22 de janeiro de 2008

Mulheres que curtem Rock n' Roll

Parabéns ao povo da comunidade do Led Zeppelin Brasil. =)
Eu não sou muito de dar opiniões em tópicos de comunidades no Orkut, prefiro ficar lendo e guardá-la pra mim! hehehe
Mas lá me senti super a vontade, porque você pode emitir sua opinião que, se alguém sentir necessidade, ela é discutida, mas sempre respeitada!

eis o tópico:
http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=60640&tid=2578805794554844326&na=1&nst=1

e eis a minha opinião:
discutir feminilidade à vaidade, rock n' roll à estilo é complicado.o visual em si quando é muito exacerbado, se torna realmente bizarro, tanto em homens quanto mulheres, e tem pessoas que acham que vão se apresentar em algum show, quando saem pelas ruas (os glams e góticos sem noção ) rs. eu gosto de hard rock, mas não me fantasio! =P
o número de mulheres que curtem rock n' roll eh menor sim, só que na minha opinião, não podemos levar em consideração se ela se produz ou não, se pensa em produtos para o cabelo ou não. hahahae
outra, a relação modismo/rock n' roll teve seu ápice nos anos 80, mas não é tão atual. até nos anos 50; elvis conquistou milhões de fãs em todo o mundo, e não foi só por causa de canções eternas como "rit it up", mas também pelo seu estilo e visual. todas as garotas babavam e queriam homens como ele, e os rapazes queriam ser ele! até mesmo robert plant já declarou em entrevista: "eu queria ser o elvis no palco!". podemos dizer a mesma coisa com relação aos beatles, com a moda dos "terninhos", que na época, meu pai mesmo me disse: foi copiado por quase todos os rapazes do mundo! hehehe
a mulher, é claro, sempre foi bem mais vaidosa que o homem, então, no mundo do rock n' roll, isso não é diferente. de fato!
porém, existem mulheres e mulheres.....homens e homens.
só que o rock n' roll era considerado música para macho, principalmente nos anos 70, então eram poucas mulheres que ouviam. no mundo artístico inclusive, quase não se viam as mulheres no rock! salvo janis, rita, joan jett, lita ford (alguns nomes mais conhecidos).as que tinham acesso eram consideradas "não tão femininas", até mesmo por eles...acho que, provavelmente seja por isso, que até hoje existe um pouco de preconceito, a imagem feminina está ligada somente à aparênia, e o número de mulheres que curtam mesmo rock n' roll seja inferior ao de homens.

20 de janeiro de 2008

Mate-me, pois já estou morto. Matarem-me para o meu bem.

Vou postar um conto que fiz há algum tempo.

Eu gostava muito de fazer contos espíritas, de surrealismo, terror e suspense. Hoje eu já tenho mais o hábito de elaborar críticas (talvez por conta da faculdade), e de vez enquando escrever uma poesia. Mas enfim, quem quiser, pode ler. É um pouco melancólico...


É ele e apenas ele na sala.
Fumando o filtro do cigarro, o rapaz queima o dedo...e se vê sozinho.
Já não tinha mais planos, de tanto que vivia na mesmisse, de tanto que se acostumara com as coisas que lhe aconteciam. Entregava-se para sua própria solidão, ficava sempre ansioso com o banal e se apegava àquela coisa material de sempre, indo cada vez mais para o fundo do poço.
Ele sempre tinha os mesmos eventos para ir, as mesmas coisas à fazer, e não conseguia mais se ver sem aquilo. Achava que eram as amizades, mas não. Pensava que eram as coisas que estavam lhe cansando; também não. Supôs que poderia ser os lugares que estavam se tornando medíocres, mas estava enganado.
O que o estava deixando naquele estado de espírito monótono, era ele mesmo, que se entregava completamente aos espíritos insanos e ao pensamento comum. Seu humor era sempre o tédio. Tédio interminável.

A entrega ao material, o fazia aparentemente feliz. Dono de um ego fortíssimo, ele via que aquilo lhe trazia sempre mais atenção (mesmo que somente por interesse). Inconscientemente, ele se entregava...e não conseguia se conter.

Depois de tudo, se via ali, sem ninguém mais uma vez.
E perdido em meio ao seu próprio cotidiano, tudo o que fazia era automático; tudo se tornara hábito, e nada mais fazia sentido ou tinha importância. Sua alma estava neutra, até mesmo à sentimentos.

Sem mesmo perceber, o homem havia criado um ser deprimido dentro dele mesmo. E continuava querendo manter a aparência de que não precisava de ninguém à sua volta. Insistia naquilo, talvez para não admitir a solidão em que vivia.

O rapaz acreditava ser melhor do que qualquer um, simplesmente por pura pretensão e para satisfazer seu ego, e sempre que precisava de um favor, ele conseguia; afinal, todos sabiam seu nome. O “prêmio” para quem o havia ajudado,era simplesmente sua valiosíssima (e vazia) amizade. Deixava-se de lado qualquer outro tipo de valor humano e carinho.

Numa das últimas noites em que não agüentava mais se deparar com a realidade vinda depois do teatro que ele mesmo fazia, se entrega ao próprio charme, novamente. Dá-se à própria mentira, para voltar para casa sozinho, com um enorme espaço dentro de si mesmo.

Sorriso enorme. Cara de moleque, porém, sua barba por fazer. Mesmo sem que ele queira, a aparência é fundamental. Belas mulheres...Fundamental! Pessoas importantes...Fundamentais! Quem olhou através da sua alma, soube de suas incertezas e angústias.
O rapaz já não era um menino. Mas quando se encontrava sozinho e diante da realidade, se agoniava. Nem chorar mais ele conseguia. Como um homem, nunca compreendia que o amadurecimento não era nada daquilo que pensava; ele vem da alma!

Quando nos decepcionamos, vemos que muitos momentos foram superficiais: damos amor para apenas ter amor em troca. Na maioria das vezes, somos rejeitados, sendo muito mais penoso que qualquer outra coisa.
Provavelmente o homem solitário se apaixonou loucamente, e se sentiu “fraco”, rendido à algo mais forte que ele, que seu próprio ego. Ele não estava conseguindo controlar, pela primeira vez, os seus pensamentos, e não conseguia colocar uma máscara para ocultar o que realmente estava sentindo.
Virou escravo dos seus pensamentos e de suas atitudes, querendo se controlar a todo instante!

Ele então acorda, e resolve se distrair, desviar-se de pensamentos; dominar o adágio nessas horas é fundamental. Sai com os amigos, bebe uma cerveja, mas acorda com uma sensação parecida com a anterior.
O material é assim: o controle, o ego, a insatisfação, a máscara da realidade.
A vida é muito simples, o ser humano é que a complica.
Ela passa...e bem rapidamente.

Quando o homem deita, ele sonha com o amor, pela primeira vez de forma singela.Sonha com a sinceridade e com a igualdade de ser e estar no mesmo patamar que os outros. Para ele, poderia ser um pesadelo, mas por um momento ele aceita o que está passando diante de si. Sente que pode falar abertamente sobre o que está dentro do seu coração, do que está vindo de sua alma. E não importa o que virá do próximo.
Se todos tivessem a mesma atitude, o mundo seria diferente, e a evolução espiritual poderia ser bem mais simples...Então, porque não começar?
Alguém o chamava. Ele então, acordou novamente.
Não sentia mais nada.

A primeira coisa que viu, foi a mulher que havia se apaixonado; logo depois, seus amigos, sua mãe e finalmente, seu pai.E como ele se sentia bem agora!
Seu corpo estava inerte. Tão imóvel quanto como quando ele ainda tinha vida. Nunca mais ele despertou, pois todas estas pessoas fizeram ele ver o sentido de sua vida...Elas mesmas! E agora, ele estava em paz consigo mesmo.


Por Roberta Cortez

19 de janeiro de 2008

Janis Joplin



Minha eterna Deusa, faria hoje 65 anos.

A primeira mulher do rock n' roll, abençoada com uma voz tão sensual, angelical e ao mesmo tempo tão rebelde e agressiva. Quando entrava no palco, congelava a vista de quem a assistia com a sua presença de palco, embora ela tenha passado por muitos preconceitos por interpretar blues na década de 60, que era considerado "música para negro cantar". E ainda como mulher...a maioria não aceitava.

O curioso é que Jimi Hendrix foi alvo de preconceitos também, mas por tocar "música de branco", ou seja, o rock n' roll na época...muita pretenção, não? Música é alma, e não raça.

Ela foi rejeitada em muitos lugares, inclusive aqui no Brasil, por leigos que não a conheciam, não sabiam quem era ela. mas a alma de Janis sempre quis liberdade, e a capricorniana sempre seguiu o seu instinto e amor ao palco. Ela cresceu escutando sempre, muito blues e soul. E, alimentando sua atitude naturalmente rebelde, Janis se vestia como os hippies e poetas da época.

Janis Joplin morreu com apenas 27 anos, quando estava no auge de sua carreira, depois de lançar muitos sucessos, pois tinha muito acesso ao álcool e às drogas.

Faleceu de overdose de heroína em 4 de outubro de 1970.

Mas estará eternamente viva no meu coração.






Por Roberta Cortez

17 de janeiro de 2008

Hermes e Renato

Eu adooro os caras do "Hermes e Renato", eles sim, sabem como fazer uma sátira! Todo o sarro que eles tiram, é sobre algo que realmente acontece, é em cima daquilo que uma pessoa realmente é, e eles fazem de uma forma sarcástica e muuito cômica! Palhaço gozo, com relação ao Bozo (um palhaço totalmente pornográfico), Igreja Universal Loucuras de Meu Deus (os caras tiram uma onda até mesmo com o dízimo), Programa do Mal (satirizam vários personagens de quimbanda), Chapa Quente (mera semelhança com o apresentador Ratinho, no 190), e Claudio Ricardo Show, um programa de auditório com direito à calouros e tudo o mais...nele, até a propaganda tipo "mershan" está perfeita! uhahuauhauh



Clique no link abaixo para ver um trecho do Claudio Ricardo Show!http://www.youtube.com/watch?v=3_6m7HM7WzE









































16 de janeiro de 2008

Orgulhosamente Terráquea

eu amo a vida e o que ela me traz
eu amo a luz do sol quando o dia amanhece
amo escutar o cantar dos pássaros
amo o cheiro de praia e ouvir o som do mar
mas amo também a chuva, a tempestade
e o poder que ela tem de lavar
eu nasci dela e pra ela vou voltar

eu faço valer a pena cada sorriso e cada lágrima em meu rosto
o toque da minha mão sobre a pele de quem eu amo
eu gosto das pequenas coisas da vida
pois elas são as que mais me trazem alegria
eu amo ver sorrisos, flores, terra, grama
fazemos parte delas e de quem nos ama

eu sei que tudo na vida terrena passa
sei também que o bem e o mal vivem numa balança
o amor e o ódio se equilibram entre si
após o caos sempre vem a alegria, a esperança

olhe para alma do amigo, da planta, do animal, do seu irmão
você entenderá o sentido da vida, seu sabor.

Marketing Filosófico

Logo começam as aulas da faculdade novamente...
Pra quem não sabe, faço publicidade e propaganda, e eu estava me lembrando das aulas de marketing. Me veio algum pensamento à respeito disso.
O ser humano precisa acreditar em algo que seja maior que ele, para obter explicações que ele não possui, ou até mesmo para buscar novas respostas para aquilo que ele não aceita, além de sentir a necessidade de se apegar a algo que o faça bem, fazendo com que orações e hábitos de ir à igreja, por exemplo, sejam um ritual imprescindível, podendo chegar a ser uma obrigação.A maioria das pessoas que já têm uma família, ainda vive através desta suposta obrigação. A tática utilizada pela maioria das igrejas que tem templos como instituição é a de pesquisar sobre o que cada indivíduo precisa. As pessoas têm necessidades diferentes, por isso é imprescindível conhecer a aspiração de cada um. Um exemplo disso é O Congresso Empresarial da Igreja Universal do Reino de Deus, que é uma forma de reunião voltada especificamente para empresários, comerciantes e pessoas com dificuldades financeiras comuns, que acontece nas segundas-feiras. A divulgação acontece durante todo o fim de semana através dos programas televisivos da Igreja.
Há também livros nas portas de alguns templos, para que as pessoas coloquem o que precisam ou desejam para melhorar suas vidas.Sabendo o que cada um necessita, fica mais fácil despertar o interesse particular, e é passada a idéia de que a instituição tem o poder de pressagiar seus anseios. É a técnica do falar o que se quer ouvir, onde o segredo é tratar do mau terreno, apresentando solução terrena: dinheiro para quem precisa de dinheiro, família para quem precisa de família. É como se fossem satisfazer todas as vontades que se têm.
É comum ouvirmos depoimentos de pastores, tais como: "Nós somos os únicos que ouvimos o clamor do povo."Ao propagar a cura para todos os males, tanto materiais quanto espirituais, percebe-se um marketing com o fator de persuasão em massa.
Cada fiel que contribui finaceiramente, se vê cada dia mais nesta obrigação, caso contrário, em sua linha de raciocínio, estará sendo ingrato à Deus e poderá perder o que havia conquistado por conta disto. Daí então, surge o hábito de freqüentar e dar o dízimo. Por isso que, muitas igrejas conseguem seguidores fiéis e leais apenas à sua instituição.
Além de conquistar, eles sabem muito bem como alimentar e nunca perder seus "clientes" para a concorrência.

Não discutindo sobre religião, e sim, marketing.

Por Roberta Cortez

14 de janeiro de 2008

Breve pensamento

Cara, quero que as pessoas sejam humildes.
Se estão tristes, digam; se estão felizes, falem!
Elas precisam se afirmar. Num mundo infestado por mortos-vivos, a luta pela sobrevivência carrega modificações, e nunca sabemos o que é o que.
As pessoas querem estar perfeitas não para si, mas sim, para as outras!

Eu vou sabotar...

Você vai se azarar
O que eu não ganho eu leso
Ninguém vai me gozar, não jamais !!

Eu vou sabotar
Vou casar com ele
Vou trepar na escada pra pintar seu nome no céu

Sabotagem !
Sabotagem !
Sabotagem !

Eu quero que você se top top top ... uh!

Ninguém vai dizer
Que eu deixei barato
Vou me ligar em outra
Te dizer bye bye até nunca jamais!!!



Os mutantes

Espelho

Tu sabes bem
E eu também
De toda amargura.
E os devaneios que se foram sem que notássemos
Temos os mesmos planos
Encontremos a cura!
A sua dor, é a minha dor
Sem que possa saber
Teu sentimento posso conhecer
Fico padecendo quieta
Juntamente com a saudade pervertida
A sua dor quer me envenenar
Mas não te culpo, aceito, corrompida
Não somos apenas amantes...
Temos manchas
Embora mesmo distantes.









apesar do que restou
sinto um cheiro, onde estou?
vaga mente, vagaluminosa
paira no ar, mas nunca como prosa
diante do milagre
cara a cara por um instante
mil lanternas na minha face
não me parece confortante
mas a vitória sempre vem
digo, imaginamo-la no além...