20 de fevereiro de 2008

Expectativas superficiais.

Bons olhares, gosto ruim. Corpo cheio, vida perdida... O que você vê, realmente, não é o que você está ganhando.
Muita maquiagem, um pequeno colapso. Ela quer isso, ele tem isso. Sangue congelado, babado quente? expectativas superficiais. Olhe para mim! Você pode ter tudo pois sua face se mostra agora. Talvez, da próxima vez, use os seus óculos e me olhe melhor.
Eu sou a rainha do drama, caso isso seja o seu lance. Eu posso até mesmo fazer virar realidade.
Dinheiro falso, plástica real: estúpido cupido. Fantástico! Pensamento blasé...
Falando honestamente, o que você vê é o que você está esperando.
Amor acelerado, movimento lento. Sem ritmo porém, eu continuo embalando.
Antigo sentimento, novo começo.
Expectativas superficiais.
...Às vezes eu não reconheço meu rosto possuído. Eu olho no interior dos meus olhos e encontro desgraça. Minhas pequenas mentiras brancas contam uma estória e eu vejo que tudo isso não tem nenhuma glória.
Ih, rimou!

15 de fevereiro de 2008

Sweeney Todd: The Demon Barber of Fleet Street

Cara, não pude deixar de fazer uma resenha sobre este filme!
Pra quem ainda não sabe, Johnny Depp é o meu ator predileto; não apenas por ser gostosão do tipo “latino” (oh my god), mas sim, por ser versátil e ter uma expressão facial incrível quando interpreta seus papéis, o que é dificílimo de se ver. O longa reúne novamente o trio Tim Burton, Depp, Helena Boham, que na minha opinião, sempre dá certo.

Sweeney Todd (Johnny Depp) é o “barbeiro assassino” que volta para Londres pela primeira vez após uma tragédia que lhe levou a família. Agora é a hora e ele quer vingança, pois foi preso injustamente.
O filme é um musical e, particularmente, não gosto muito desse gênero...Mas acho que Burton conseguiu fazer o nosso amigo Depp cantar na hora certa; inclusive, em alguns momentos, me passou a sensação de que o ator está sendo irônico ao cantar, deixando a cena um tanto quanto cômica, porém genial.

A mistura das músicas, cantos, humor deveras negro e até um pouco grosseiro, me encantou! Apenas acho que o enredo poderia ser mais interessante, até mesmo porque, em alguns instantes, o filme corre o risco de entrar nos chavões americanizados. Ah, e as músicas também não são lá grande coisa...
Mas, como não sou fã de musicais, se vocês quiserem tirar isso como subjetivo, sintam-se à vontade! Se tratando de um gênero do qual não dou muita atenção, só pelo fato de estar fazendo elogios, já quer dizer que o filme é bom mesmo!

Enfim, o produto final ficou excelente, mas na minha opinião, se não fosse cantado seria excepcional! O visual e a perspectiva, de longe são dignos de Oscar. É magnífico como Burton tem “tato” para isso. Fiquei maravilhada com a produção dos atores e principalmente com o cenário!

O meu conceito sobre o filme foi este e tenho certeza que a maioria de vocês irão ter impressões bem parecidas.
Agora, cá entre nós: O diretor foi muito esperto ao levar a estréia do filme para 2007/2008.
Johnny Depp em um papel sinistro (um clássico), um filme à Lá halloween, e tudo isso em um musical, para provar que o cara é bom...Ele realmente quer que o ator ganhe o Oscar.

Será que esse ano vai?

por Roberta Cortez