27 de agosto de 2008

Arte atemporal, como a vida

A sensação de que passado encontra o futuro, existe. Aliás, ambos vivem juntos
O passado na verdade está junto com o presente.Vivemos por passado, nós apenas
sonhamos um futuro como um presente.
Meu senso comum em viver como um ser humano "de verdade" -o qual não existe, foi apenas
montado- desvirtua toda a mágica da qual eu pertenço...quando eu bloqueio meus
pensamentos puros e primários com o pensamento lógico, pra ficar esteticamente aceitável, o
mundo se torna falso. Mas quando volto através do túnel de minh'alma, sinto-me indo pro
lugar de onde eu vim.
...E eu me preservarei dentro do vaso. A beleza macia das flores, o beijo que passou... mas
que ainda está presente.
A palavra q foi dita, mas que ainda posso escutar.
O desenho criado, que ainda posso ver.
O sentimento que ainda sinto...
A poesia não tem tempo, pois a vida não tem tempo. Independente de quando nós vamos ver,
escutar ou sentir, ela transmite o mesmo calafrio agora ou daqui a um século. Ela é intuitiva, e
só quem está no mundo paralelo dos loucos pode intuir. Me entende?
Ponha-se a dizer que sou louca e insiste. Mas quem dera se a massa não fosse tão
automaticamente unificada.
É porque através da poesia eu enxergo acima deste plano e somente quem prova da mesma
fruta sabe o gosto que ela tem. Possível é, mas até o senso comum chegar a este reino
desconhecido, pode demorar - até mesmo porque, ele não quer...é errônio em seu conceito.
O poder da arte, de transformar, está vivo.
Mas por enquanto, meus devaneios são apenas desejos que vêm espontaneamente fora da
realidade e do tempo.