20 de março de 2009

Preto, Pobre e Bixa


Por volta de 1902, o Rio de Janeiro era uma cidade deplorável. Ruelas sujas e a falta de saneamento básico fazem da cidade um foco de epidemias.
Então, Rodrigues Alves assume a presidência do Brasil com o intuito de renovar o Rio de Janeiro. Porém, nos moldes das cidades européias, para que fosse bem vista pelos estrangeiros. Por este motivo, cortiços são derrubados, moradores de toda a região são desalojados à força e toda a grande massa fica exclusa de sua própria terra, sem ter para onde ir, simplesmente para que se tivesse uma “boa imagem”.

O Rio foi então reconstruído e os negros que lá moravam, foram proibidos de entrar nesta “nova cidade”. Por este motivo, a exclusão a partir de agora era evidente e grande parte da população é marginalizada. Esta massa começa a se aglomerar na Lapa, e foi neste mesmo lugar que o samba de raiz começa a surgir, retratando a dor, a vida e toda uma história de cada um destes indivíduos. No entanto, esta Lapa passa a ter a fama da obscuridade e de onde não se poderia viver, justamente por causa do preconceito que crescia cada vez mais.

João Francisco dos Santos, mais conhecido como Madame Satã, foi a figura ímpar desta exclusão. Freqüentador da Lapa, foi uma pessoa que retratava a vida noturna, a malandragem e também a marginalidade da época.

O filme Madame Satã, interpretado por Lázaro Ramos, deixa bem claro o sentimento vivido naquela época. O longa se passa, em sua grande parte, à noite e possui uma iluminação baixa e chorosa, justamente para que tenhamos a mesma sensação de isolação vivida naquele momento.


Madame Satã, negro, pobre e homossexual, tinha uma vida conturbada, mas a levava ironicamente e era muito extrovertido. Como o típico negro latino, se livrava com malandragem diante de uma situação complicada.
Podemos comparar este “gingado” com a cultura do disfarce, utilizada pelos negros africanos, onde ao fingir que estavam dançando, lutavam com seus inimigos através da capoeira, despistando e fugindo dos feudais. João Francisco ocupava duas personalidades para se livrar da opressão e se dizia filho de Xangô. Ele sofria... Mas cantava. À noite, brilhava. Sua fuga da realidade era através da fantasia. A dualidade fazia parte do seu ser e dentro do carnaval ele encontrava a bagunça, o avesso, o mundo libertário.

Esta essência não pôde ser deixada de lado. Por nenhum de nós. Afinal, somos descendentes africanos e não fugimos de um problema, pois aprendemos a nos camuflar. Sabemos lidar com os dois lados de uma moeda. Um exemplo é quando falamos coisas tristes, sorrindo. Fica clara esta característica...ela não é indígena, não é americana; ela é africana.

Depois da noite vem o dia.
Depois da festa, vem a oração.
Depois do carnaval, vem a quarta de cinzas.


Nota 1: O título do texto apresentado é apenas para retratar a forma como Madame Satã era tratado e designado na época, dito de modo preconceituoso para a opção sexual e a etnia de um indivíduo.


Nota 2: O buraco é muito mais em baixo. As favelas constituem em um problema colonial, visto que, pessoas que foram exclusas de sua própria terra há mais de cem anos, por puro preconceito, não sabiam para onde ir; logo, foram se aglomerando em morros. Hoje não só a população e a pobreza crescem, como a marginalidade e, por incrível que pareça, o preconceito.

6 comentários:

Esta sou eu. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Esta sou eu. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Julio de Carvalho disse...

Vou ficar de olho nas atualizações do seu blog, pro Celso não roubar mais minhas idéias,rs.

Sobre sua pergunta naquele porão que muitos conhecem como blog: Sim, na verdade, não.
É um auto-retrato do Van Dyck que eu estava pintando uma cópia para estudo.

Na maioria dos dias eu passo estudando obras de pintores neoclassicos , barrocos e renascentistas...
Nos museus ou em casa.

CELSO MATHIAS disse...

Roberta,
Veja essa revista on-line:
http://www.ideafixa.com/veja-todas-as-edicoes/
Tenho certeza que irá gostar muito e abrirá mil janelas de criações e idéias.
Participei na número 5 há uns anos atrás( a capa com o Lázaro Ramos)
BJS

CELSO MATHIAS disse...

PARABÉNS ROBERTA POR HOJE!!!
TUDO DE BOM PARA VOCÊ E MIL FELICIDADES!!
BJS :)

CELSO MATHIAS disse...

CADÊ TU MENINA???KKKKKKKK


TÁ SUMIDA??

PROVAS? GRIPE? DENGUE? ABDUSIDA ??
EM MARTE? PLUTÃO???
É BOM AÍ EM SATURNO???

QLQ COISA É MELHOR QUE ESSE RJ!!

DÁ AS CARAS...MANDA NOTÍCIAS...
PODE SEE CARTA TBM...PSICOGRAFADA...KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

BJS